Análise envoltória de dados na ótica do desenvolvimento sustentável: Mato Grosso do Sul, Brasil (1991-2010)
PDF

Cómo citar

Castelão, R. A., Souza, C. C. de, & Frainer, D. (2021). Análise envoltória de dados na ótica do desenvolvimento sustentável: Mato Grosso do Sul, Brasil (1991-2010). Economía Sociedad Y Territorio, 21(66), 539-568. https://doi.org/10.22136/est20211595

Resumen

Este artigo procurou analisar as condições do desenvolvimento sustentável de 78 municípios de Mato Grosso do Sul com variáveis agregadas em três dimensões: ambiental, social e econômica. O objetivo foi calcular o índice de desenvolvimento sustentável municipal (IDSM) nos três anos censitários (1991, 2000 e 2010) e, com isso, analisar se as localidades cresceram de forma sustentável ou não. Utilizando o método de análise envoltória de dados (DEA), inicialmente, foi calculado um modelo DEA com retornos variáveis de escala (VRS) para cada dimensão e cada ano e, após isso, o cálculo do indicador global de sustentabilidade. Os resultados apontaram que, embora os municípios tenham registrado melhora no desenvolvimento econômico e social, a dimensão ambiental registrou diminuição entre os anos de 2000 a 2010, mesmo tendo evoluído positivamente entre 1991 e 2000. Os valores médios dos IDSM’s nos anos de 1991, 2000 e 2010, de 0,55, 0,74 e 0,58, respectivamente.  

https://doi.org/10.22136/est20211595
PDF

Citas

ALHO, C. J. R.; SABINO, J. Uma agenda de conservação para a biodiversidade do Pantanal. Braz. J. Biol. São Carlos, v. 71, n.1, p. 327-335, 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-69842011000200012.

ANGULO-MEZA, L.; BIONDI N., L.; SOARES M, J. C. C. B.; GOMES, E. G. ISYDS - Integrated System for Decision Support (SIAD Sistema Integrado de Apoio a Decisão): A Software Package for Data Envelopment Analysis Model. Pesquisa Operacional, Florianópolis, v. 25, n. 3, p. 493-503, 2005. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-74382005000300011

AYDOS, L. R.; FIGUEIREDO NETO, L. F. Índice bruto de sustentabilidade dos municípios de Mato Grosso do Sul. Interações. Campo Grande, v. 20, n.1, p. 35-49, 2019. http://dx.doi.org/10.20435/inter.v0i0.1681

BANCO MUNDIAL. Relatório sobre o Desenvolvimento Mundial de 2010. Washington DC. 2010.

BELLEN, H. M. V. Indicadores de sustentabilidade: uma análise comparativa. 2ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

BRUNDTLAND, G. H. et al. Nosso futuro comum. Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Nova York: ONU. 1989.

CEPAL. Cambio climático, políticas públicas y demanda de energía y gasolinas en América Latina. Santiago – Chile. 2016.

CHARNES, A; COOPER, W. W; RHODES, E. Data Envelopment Analysis: theory, methodology and applications. USA: Kluwer Academic Publishers, 1994.

CRACOLICI, M. F. CUFFARO, M. The Measurement of Economic, Social and Environmental Performance of Countries: A Novel Approach. Social Indicators Research. V. 1, p. 339–356, 2010. https://doi.org/10.1007/s11205-009-9464-3

FAGUNDES, M. B. B.; GIANETTI, G. W.; OLIVEIRA, D. V.; DIAS, D. T.; SILVA, L. C. Desenvolvimento Econômico do Estado de Mato Grosso do Sul Uma Análise da Composição da Balança Comercial. Desenvolvimento em questão. Ijuí, n. 39, p. 112-140, 2017. https://doi.org/10.21527/2237-6453.2017.39.112-140

FARRELL, M. J. The measurement of productive efficiency. Journal of the Royal Statistical Society, v.120 (part III), p. 253-278, 1957. http://dx.doi.org/10.2307/2343100

FERREIRA, A. E. de M.; VIEIRA, I. C. G. Sustentabilidade urbana na região metropolitana de Santarém, Pará, Brasil nos anos 2000 e 2010. Economía, sociedad y territorio, v. 18, n. 58, p. 763-795, 2018. http://dx.doi.org/10.22136/est20181238

GRACIOLLO, G.; ROQUE, F. O.; FARINACCIO, M. A.. SOUZA, P. R.; PINTO, J. O. P. Biota-MS: Montando o quebra-cabeça da biodiversidade de Mato Grosso do Sul. Iheringia. Porto Alegre, v. 107(supl.), p. 1-7, 2017. http://dx.doi.org/10.1590/1678-4766e2017100

GOMES, E. G.; MELLO, J. C. C. B. S. de; MANGABEIRA, J. A. de C. Estudo da sustentabilidade agrícola em município amazônico com análise envoltória de dados. Pesquisa Operacional, v. 29, n. 1, p. 23-42, 2009. http://www.scielo.br/pdf/pope/v29n1/a02v29n1

HARDI, P.S. B.; HODGE, T. Measuring sustainable development: review of current practice. Research Publications Program. Canada: International Institute for Sustainable Development. p. 49-51, 1997.

IBGE. Divisão regional do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 1990.

IBGE. Estados. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.

IPCC. Climate Change. Geneva (Switzerland). 2014. 2p.

IPCC. Special Report on Climate Change, Desertification, Land Degradation, Sustainable Land Management, Food Security, and Greenhouse gas fluxes in Terrestrial Ecosystems. London. 2019. https://www.ipcc.ch/srccl/

LEVINE, D. M.; STEPHAN, D. F. KREHBIEL, T. C.; BERENSON, M. L. Estatística: teoria e aplicações. 6ed. Rio de Janeiro: LTC, 2013.

LIMA, A. C.; ASSIS, J.; SAYANDA, D.; SABINO, J.; OLIVEIRA, R. F. Impact of ecotourism on the fish fauna of Bonito region (Mato Grosso do Sul State, Brazil): ecological, behavioural and physiological measures. Neotrop. ichthyol. Porto Alegre, v. 12, n.1, p. 133-143, 2014. http://dx.doi.org/10.1590/S1679-62252014000100014

LIRA, W. S.; CANDIDO, G. Análise dos modelos de indicadores no contexto do desenvolvimento sustentável. Perspectivas Contemporâneas. Campo Mourão, v. 3, n. 1, p. 31–43, 2008. http://revista2.grupointegrado.br/revista/index.php/perspectivascontemporaneas/article/view/436

LOVELL, C. A. K. Linear Programming Approaches to the Measurement and Analysis of Productive Efficiency, v. 2, n. 2, 175-248, 1994. https://doi.org/10.1007/BF02574810

MACEDO, N. M. M. N.; CANDIDO, A. Índice de Desenvolvimento Sustentável Local e suas influências nas políticas públicas: um estudo exploratório no município de Alagoa Grande – PB. Gestão e Produção. São Carlos, v. 18, n. 3, p. 619-632, 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-530X2011000300013.

MARTINS, M. F.; CÂNDIDO, G. A. Índice de Desenvolvimento Sustentável para Municípios (IDSM): metodologia para análise e cálculo do IDSM e classificação dos níveis de sustentabilidade – uma aplicação no Estado da Paraíba. João Pessoa: Sebrae, 2008.

MARTINS, M. F.; CÂNDIDO, G. A. Índices de desenvolvimento sustentável para localidades: uma proposta metodológica de construção e análise. Revista de Gestão Social e Ambiental. São Paulo, v. 6, n. 1, p. 03- 19, jan./abr. 2012. https://doi.org/10.24857/rgsa.v6i1.229

MEADOWS, D. International Institute for Sustainable Development. Canada: International Institute for Sustainable Development, 1998.

MUELLER, C. C. O Debate dos Economistas sobre a Sustentabilidade – Uma Avaliação sob a Ótica da Análise do Processo Produtivo de Georgescu-Roegen. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 35, n. 4, p. 687-713, out./dez. 2005. http://www.scielo.br/pdf/ee/v35n4/v35n4a04

OECD. Measuring Productivity: Measurement of aggregate and industry-level productivity growth. França: OECD, 2001.

ONU. Indicators of Sustainable Development: Guidelines and Methodologies.3ed. New York: UN Sales Publication, 2007.

ONU. United Nations sustainable development knowledge platform. 2013. Disponível em https://sustainabledevelopment.un.org/. Acesso em 04 de maio de 2017.

PENA, C. R. Eficiência e impacto do contexto na gestão através do DEA. Revista produção, v. 22, n. 4, p. 778-787, set./dez., 2012. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65132012005000086

PEREIRA, M. da S.; SAUER, L.; FAGUNDES, M. B. B. Mensurando uma sustentabilidade ambiental: uma proposta de índice para o Mato Grosso do Sul. Interações. Campo Grande, v. 17, n. 2, p. 327-338, 2016. http://dx.doi.org/10.20435/1984042X2016215

PIRES et al. Measuring and comparing local sustainable development through common indicators: Constraints and achievements in practice. Cities, v. 39, p. 1-9, 2014. https://doi.org/10.1016/j.cities.2014.02.003

PUPPHACHAI, U. ZUIDEMA, C. Sustainability indicators: A tool to generate learning and adaptation in sustainable urban development. Ecological Indicators, v 71, p. 784-793, 2017. https://doi.org/10.1016/j.ecolind.2016.09.016

PNUD. Índice de Desenvolvimento Humano Municipal Brasileiro. Brasília, 2013.

RÉUS, I.; ANDION, C. Gestão Municipal e Desenvolvimento Sustentável: panorama dos indicadores de sustentabilidade nos municípios catarinenses. Desenvolvimento em Questão, v. 16, n. 45, p. 97-117, 2018. https://doi.org/10.21527/2237-6453.2018.45.97-117

RICKLEFS, R. E. A Economia da Natureza. 6 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013.

ROSSATO, M. V.; LIMA, J. E. Qualidade ambiental e qualidade de vida nos municípios do Estado do Rio Grande do Sul: associação e diferenças regionais. Revista de Desenvolvimento Econômico, Salvador, v.1, n. 17, p. 49 - 57, 2008. https://revistas.unifacs.br/index.php/rde/article/view/1025

SANTANA, N. B.; APARECIDA DO NASCIMENTO REBELATTO, D.; PÉRICO, A. E.; MARIANO, E. B. Sustainable development in the BRICS countries: an efficiency analysis by data envelopment. International Journal of Sustainable Development & World Ecology, v. 21, n.3, p. 259–272, 2014. https://doi.org/10.1080/13504509.2014.900831

SILVA, E. M; GONÇALVES, V.; SILVA, E. M.; MUROLO, A. C. Estatística. São Paulo: Atlas, 1995.

SEEG. Sistema de Estimativas de Emissões e Remoções de Gases de Efeito Estufa. Disponível em http://seeg.eco.br/. Acesso em: 20 de dezembro de 2018.

UNESCO. Convention concerning the protection of the world cultural and natural heritage. Cairns: Austrália. 2000.

Licencia Creative Commons
Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial-SinDerivar 4.0 Internacional.