The challenge of urban solid waste management in Brazil
PDF

Cómo citar

Klafke, R., C.V. de Oliveira, M., & Chaerki, S. (2021). The challenge of urban solid waste management in Brazil . Economía Sociedad Y Territorio, 22(68), 177-206. https://doi.org/10.22136/est20221738

Resumen

The National Solid Waste Policy (PNRS) and its regulation originated a new reference for the integrated and sustainable solid waste management in the country and new challenges for the implementation and improvement of the selective collection service provision in the municipalities. The purpose of this research is to identify the efficiency level of urban solid waste management in the Brazilian capitals during the period from 2002 to 2016. To measure the efficiency, the Data Envelopment Analysis (DEA) technique was used. The sample consisted of 20 Brazilian capitals. After measuring efficiency, the logistic regression technique was used to measure the contribution of each variable used in the DEA technique. As a result, it was observed that the number of materials recovered is very low compared to the number of materials collected, the municipality that collected the most materials was Vitória in 2015 and the municipality that recovered the most waste was Florianópolis in 2013.

https://doi.org/10.22136/est20221738
PDF

Citas

Bibliographic References

Associação Brasileira de Normas Técnicas (Abnt). (2004). NBR 10004 - Resíduos sólidos: classificação. Rio de Janeiro: ABNT, 2004.

Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe). (2017). Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil. São Paulo.

Besen, G. R. (2012). A questão da coleta seletiva formal. Política Nacional, gestão e gerenciamento de resíduos sólidos. Barueri–Sp: Manole, 289-414.

Brasil. (2015). Ministério do Meio Ambiente (MMA). Manual de Educação para o consumo sustentável. Brasília.

Brasil. (2015). Ministério do Meio Ambiente (MMA). Plano nacional de resíduos sólidos. Brasília: Diário Oficial da União. Brasília.

Brollo, M. J., & Silva, M. M. (2001, September). Política e gestão ambiental em resíduos sólidos. Revisão e análise sobre a atual situação no Brasil. In 21º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental.

Costa, C. K. F., Balbinotto Neto, G., & Sampaio, L. M. B. (2014). Eficiência dos estados brasileiros e do Distrito Federal no sistema público de transplante renal: uma análise usando método DEA (Análise Envoltória de Dados) e índice de Malmquist. Cadernos de Saúde Pública, 30, 1667-1679.

Da Silva, D. F. (2014). Lixo Zero–Gestão de resíduos sólidos para uma sociedade mais próspera.

De Andrade, R. M., & Ferreira, J. A. (2011). A gestão de resíduos sólidos urbanos no Brasil frente às questões da globalização. Rede-Revista Eletrônica do PRODEMA, 6(1).

Deus, R. M., Battistelle, R. A. G., & Silva, G. H. R. (2015). Resíduos sólidos no Brasil: contexto, lacunas e tendência. Engenharia Sanitária e Ambiental, 685-698.

Dos Santos Garcia, M. B., Neto, J. L., Mendes, J. G., de Freitas Xerfan, F. M., de Vasconcellos, C. A. B., & Friede, R. R. (2016). Resíduos sólidos: responsabilidade compartilhada. Semioses, 9(2), 77-91.

Dubois, A. M., Silverio, A. P., & de Tolentino-Neto, L. C. B. (2017). Educar para a sustentabilidade: Administração Pública Federal Brasileira em foco. REMEA-Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 34(3), 55-71.

Gouveia, N. (2012). Resíduos sólidos urbanos: impactos socioambientais e perspectiva de manejo sustentável com inclusão social. Ciência & saúde coletiva, 17, 1503-1510.

Hempe, C., & Noguera, J. O. C. (2012). A educação ambiental e os resíduos sólidos urbanos. Electronic Journal of Management, Education and Environmental Technology (REGET), 5(5), 682-695.

Hoornweg, D., & Thomas, L. (1999). What a waste: solid waste management in Asia. The World Bank.

Leite, T. M. D. C. (2005). Entraves espaciais: brownfields caracterizados por aterros de resíduos sólidos urbanos desativados no município de São Paulo-SP.

Lima, J. D. D. (2000). Gestão de resíduos sólidos urbanos no Brasil. In Gestão de resíduos sólidos urbanos no Brasil.

Lopes, A. A. (2007). Estudo da gestão integrada dos resíduos sólidos urbanos na bacia Tietê-Jacaré (UGRHI-13) (Doctoral dissertation, Universidade de São Paulo).

Martins, J., Machado, L. M. D. O., & Porto, J. I. L. (2017). EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CONTROLE SOCIAL DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, 8(3).

Monteiro, J. H. P. (2001). Manual de gerenciamento integrado de resíduos sólidos.

Müller, A. C., & Guido, S. (2016). Introduction to machine learning with Python: a guide for data scientists. " O'Reilly Media, Inc.".

Pavan, M. D. C. O. (2010). Geração de energia a partir de resíduos sólidos urbanos: avaliação e diretrizes para tecnologias potencialmente aplicáveis no Brasil (Doctoral dissertation, Universidade de São Paulo).

Pinto, T. D. P. (1999). Metodologia para a gestão diferenciada de resíduos sólidos da construção urbana. São Paulo, 189.

Ribeiro, W. A. (2012). A relação entre os marcos regulatórios do saneamento básico e dos resíduos sólidos. Política Nacional, gestão e gerenciamento de resíduos sólidos. Barueri: Manole, 541-560.

De Sousa, M., & Orsini, C. (2013). Política Nacional dos Resíduos Sólidos: uma busca pela a redução dos Resíduos Sólidos Urbanos (RSU). InterfacEHS-Revista de Saúde, Meio Ambiente e Sustentabilidade, 7(3).

Werrett, S. (2013). Recycling in early modern science. The British Journal for the History of Science, 46(4), 627-646.

Wilson, D. C. (2007). Development drivers for waste management. Waste Management & Research, 25(3), 198-207.

Worrell, W. A., Vesilind, P. A., & Ludwig, C. (2016). Solid waste engineering: a global perspective. Nelson Education.
Licencia Creative Commons
Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial-SinDerivar 4.0 Internacional.